Tratamento de Lixo Residêncial

O lixo residencial requer mudança de hábitos de toda população, a implantação de um projeto dependerá da cultura e educação dessa população, divide-se em lixo orgânico e inorgânico, contaminado e não contaminado.

Material orgânico reciclável: Caso de alimentos que tratados adequadamente retornam a natureza na forma de adubos.

Tratamento de esgoto: Material orgânico reciclável, retornando a natureza na forma de adubos ou alimentos esterilizados.

Tratamento de papel – Orgânico reciclável na indústria gráfica e ou utilizado como combustível sólido.

Tratamento plásticos: Recicláveis na indústrias de plásticos

Tratamento de materiais inorgânicos: vidro e metais – Recicláveis nas indústrias de vidros, fundição, siderurgia, alumínio e cobre.

Tratamento de lixos contaminantes: Pilhas elétricas

Tratamento de lixos farmacêuticos: Ideal será a separação desse lixo e separação apropriada em unidades hospitalares, que devem ser criadas e compartilhadas em anuência com as residências da cidade.

O projeto requer grande espaço físico, unidade separadoras automatizadas e utilização imediata dos subprodutos utilizadas em Just in time, nas unidade de processamento de reciclagem.

Sabe-se que a cada 1000 habitantes, gera-se 1.000 kgs de lixos diariamente, viabilização de unidades de tratamento poderá se formatada para qualquer índice populacional, independente do tamanha da cidade. O prazo de instalação de uma planta levará em média de 12 meses, devido a atual demanda do mercado na utilização de matéria prima que compõe o processo de fabricação envolvendo: Tanques, Fornos, esteiras transportadoras, autoclaves, tanques misturadores, secadores, traçado de tubulação, válvulas industriais, instrumentação industrial, energia elétrica, logística de produção e logística de transporte multimodal especializado e coleta apropriada.